O Centro Cultural Banco do Brasil - Rio de Janeiro preparou uma surpresa para seus visitantes. Durante a Mostra Surrealismo, o público pode assistir a mais de 30 diferentes situações cênicas inspiradas no movimento surrealista. As apresentações aconteceram em todo o prédio, de 12h às 20h com entrada franca.

Um espetáculo teatral de oito horas de duração.

Esse foi o conceito das apresentações cênicas que integraram a Mostra Surrealismo, apresentada pelo grupo carioca Centro Teatral e Etc e Tal. Seres surreais passeavam pelo prédio do CCBB inspirados nos personagens sem face de Magritte, na formiga gigante de Dalí, nos cenários de Man Ray, nos textos de André Breton, Aragon e Artaud.
Os visitantes do CCBB tiveram a impressão de que alguns personagens escaparam das salas de exposição quando esbarraram com formigas gigantes, portas e janelas que se abriam, abajures voadores, cabeças entre gaiolas, noivas envoltas em saco bolha, uma escada rosa de 8 degraus, homens coloridos em suas inusitadas bicicletas e outras Intervenções Cênicas.

Breton, Artaud e Aragon e atores, bailarinos, circenses e mímicos

Foram mais de 30 situações cênicas criadas pelo Centro Teatral e Etc e Tal, que mergulhou numa pesquisa sobre o Surrealismo e criou figuras masculinas e femininas sem rosto com figurinos que remetiam à década de 1920 e às pinturas de Magritte.
As apresentações tiveram a direção de Álvaro Assad e contaram com 14 atores, bailarinos, artistas circenses e mímicos, que se revezam entre as exibições. O trabalho utilizou uma movimentação corporal meticulosa e segmentada, o que causava estranhamento e fascínio no público, fosse ele adulto ou infantil.
Os textos de Breton, Artaud e Aragon, selecionados pelo curador do segmento Idéias da Mostra Surrealismo, Guilherme Castelo Branco, deram voz aos personagens. Além das apresentações não programadas, que aconteciam a todo momento e em qualquer lugar do prédio, a cada hora cheia uma cena especial era encenada no salão principal do Centro Cultural do Banco do Brasil.
Quem foi ao CCBB pode assistir desde um casamento, que acontecia todos os dias às 18h, ou um encontro entre dois enormes seres lembrando formigas gigantes, às 16h, e ouviram em um confessionário movél textos surrealistas, às 19h.

Programação das apresentações (de hora em hora):

12h - Figuras sem rosto (como as de René Magritte)
13h - Desfile de diferentes e exóticos abajures ao lado dos Sofás em forma de Boca
14h - Fragmentos de uma casa "flutuam" pelos corredores (portas, janelas, sofás, quadros, gaiolas)
15h - Uma cena de balé surrealista acontece de forma inesperada ao som de uma canção de ninar em Tcheco
16h - Encontro de duas formigas gigantes (2,5 metros) na Rotunda do CCBB
17h - Seres Monocromáticos
18h - O Casamento da noiva em um imenso vestido de saco bolha e seu buquê de brócolis
19h - O confessionário móvel onde o público é convidado a sentar e ouvir textos de Breton, Artaud e Aragon
20h - Cena de despedida, embaixo do Relógio, na Rotunda

Período: terça a domingo, de 12h as 20h - Agosto a outubro de 2001, no Centro Cultural Banco do Brasil no Rio de Janeiro.